Queijo da Canastra | Wellington Fazenda Medeiros
59144
single,single-portfolio_page,postid-59144,qode-core-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,canastra child-child-ver-1.0.0,canastra-ver-1.3, vertical_menu_with_scroll,smooth_scroll,transparent_content,grid_1300,blog_installed,wpb-js-composer js-comp-ver-4.9.2,vc_responsive

Wellington
Fazenda Medeiros

Para colocar banca de doutor, o homem do campo pode até se embelezar. Arrumar umas roupas bonitas e engomadas; engraxar uma botina para ficar brilhando como o sol; encher o pescoço e os braços com correntes de ouro e usar chapéu branco de nome Panamá.

Já o doutor, se quiser fingir de roceiro, arruma logo uns farrapos de pano para costurar numa roupa velha, tampando buracos nascidos com o tempo. Troca o sapato branco pelo chinelo carcomido no tornozelo; deixa os dedos pelados dos anéis e larga a cigarrilha de prata pela palha de milho.

Só tem uma coisa que um doutor não consegue ter e ao mesmo tempo, da qual o homem do campo não consegue se livrar: a mão calejada do trabalho de todo dia na roça. Essa não se ganha de enfeite ou se perde com belezura.

O trabalho na roça é sagrado e calo na mão é o que Wellington gosta de mostrar como prova de que da lida do queijo nunca mais ficará longe.

Tentou virar doutor na cidade grande, é certo. Rapidinho viu que para sapato branco, corrente de ouro, cigarrilha de prata e gravata não nasceu. Correu de volta para Medeiros porque é na lida da roça, espremendo queijo, que vai embelezar de casca dura ainda mais os calos da vida.

Distância:

4km de distância do centro urbano

Enviar e-mail:

Telefone:

( 37 ) 99961-6315